Read more about the article “Responsabilidade e Magia” – Por Rebeca Gelse Rodrigues
Rebeca Gelse Rodrigues é psicóloga, educadora, assessora literária, contadora de histórias e poeta. Contato: rebecapoesia@gmail.com – São Paulo – Brasil.

“Responsabilidade e Magia” – Por Rebeca Gelse Rodrigues

Sonhar e imaginar são aptidões humanas que necessitam de alimento. Somos o único animal que projeta o futuro e que diz “Era uma vez...” - Por Rebeca Gelse Rodrigues

Continuar lendo“Responsabilidade e Magia” – Por Rebeca Gelse Rodrigues

“A Linguagem como Descrição e Desvio” – ensaio de Plínio Fernandes Toledo

A revolução começa na expressão movida por uma necessidade vital de recuperação da experiência no contexto da vida fragmentada por um sistema que se produz e se reproduz através do isolamento social real e da ilusão de comunhão, de reconhecimento e diálogo.

Continuar lendo“A Linguagem como Descrição e Desvio” – ensaio de Plínio Fernandes Toledo

“De Lobato a Ziraldo e o Valor da Imagem” – Por Rebelca Gelse Rodrigues

De Lobato a Ziraldo: a importância do autor e do ilustrador na Literatura Infanto Juvenil. No mês em que se comemora o "Dia Internacional do Livro Infantil", junto ao mês de aniversário de nosso Monteiro Lobato, um texto sobre a presença do autor e do ilustrador na construção da LIJ - Por Rebeca Gelse.

Continuar lendo“De Lobato a Ziraldo e o Valor da Imagem” – Por Rebelca Gelse Rodrigues

Breve Panorama da Literatura Infanto Juvenil (I) – por Rebeca Gelse Rodrigues

A Literatura Infantojuvenil (LIJ) consolidou-se como bem cultural no Brasil a partir do século XX, quando do surgimento de grandes escritores e ilustradores, do avanço do meio editorial e da consolidação da Teoria da Literatura, na qual a criança e o jovem foram inseridos, com suas peculiaridades.

Continuar lendoBreve Panorama da Literatura Infanto Juvenil (I) – por Rebeca Gelse Rodrigues

Para gostar de filologia – um pequeno piparote – por Júlio Bonatti

Por Júlio Bonatti. Pensar o processo de mudança das línguas nos permite enxergar como há uma autonomia do próprio sistema linguístico em resolver problemas de adaptações fonéticas, por exemplo, em face do papel das ações externas sobre a língua.

Continuar lendoPara gostar de filologia – um pequeno piparote – por Júlio Bonatti