Livro publicado pela Editora Tabla mergulha no interior de uma sociedade desértica e apresenta uma trama repleta de mistério e fantasia.


Imagine acordar um dia e perceber que sua roupa está grudada na sua pele? Imagine que essa roupa – na verdade, uma túnica mágica –, aos poucos, se mistura com seu corpo, virando parte indivisível dele? É este o ponto de partida do romance O tumor, do premiado escritor líbio Ibrahim Al-Koni.

O romance conta a história de um líder que ninguém jamais viu, mas que nomeia, por meio de seu mensageiro, um lugar-tenente para representá-lo em certo oásis do vasto deserto saariano. Os critérios para essa escolha não são claros. O ritual de unção do eleito, diga-se assim, envolve o uso de uma túnica que logo se revela um instrumento a um só tempo sutil e monstruoso de controle e dominação desse lugar-tenente. O enredo todo, com suas idas e vindas, é um grande pretexto para a discussão que de fato interessa ao autor: os processos de corrosão e devastação desencadeados pela sede de poder e pelas ambições desmedidas que a acompanham.

Mais do que uma alegoria sobre o poder, a novela O tumor, do líbio Ibrahim Al-Koni, é uma fantasia distópica sobre o poder. A trama se desenvolve no seio de uma sociedade desértica, num oásis, e, para além das soberbas descrições de costumes e do meio — Al-Koni é membro dessa etnia, que ele conhece como ninguém —, evidencia que a organização social do deserto, por mais rústica e distante que possa parecer à primeira vista, está mais próxima das sociedades modernas do que sonha a nossa vã filosofia.

Na orelha do livro, Olgária Matos afirma: 

“O tumor é uma narrativa que inverte, mimetizando-o, o gênero sapiencial da tradição clássica, que, descontextualizada, perturba o espaço e o tempo, em uma inquietante atemporalidade. 

E porque O tumor desrealiza o real para realizá-lo, o deserto é o contrário de um espaço aberto e infinito. Remover a túnica é sem saída: ou hemorragia ou os suplícios da acídia, com o que se instala o leitor na desordem atual do mundo.”

O livro conta ainda com a tradução de Mamede Jarouche, renomado tradutor de grandes clássicos árabes, dentre os quais se destaca o Livro das mil e uma noites.

Para conhecer mais sobre o livro, acesse o site da Editora Tabla:
https://editoratabla.com.br/catalogo/o-tumor/

 

Sobre o autor:

Ibrahim Al-Koni nasceu em 1948, no deserto dos tuaregues, na Líbia, onde passou toda sua infância. Ele aprendeu a ler e escrever árabe apenas aos 12 anos e depois estudou literatura comparada no Instituto Gorky em Moscou, chegando a trabalhar como jornalista em Moscou e em Varsóvia. Hoje, Al-Koni é um dos mais prolíficos romancistas árabes contemporâneos e escreveu mais de 80 romances, contos, poemas e aforismos, todos inspirados no deserto. Elementos mitológicos, busca espiritual e questões existenciais se misturam nos escritos de Al-Koni, que já foi considerado como um realista mágico, um fabulista sufi e um romancista poético. Seus livros foram traduzidos para mais de 35 idiomas. Em 2015, Al-Koni foi finalista do prêmio Man Booker International.

Sobre o tradutor:

Mamede Mustafa Jarouche é professor titular do Departamento de Letras Orientais da Univerdade de São Paulo e tradutor de grandes clássicos árabes, dentre os quais se destaca o Livro das mil e uma noites. Sua pesquisa está voltada às fontes árabes por meio do trabalho da fixação, edição e tradução de manuscritos de diferentes épocas da história árabe islâmica. É o tradutor de O tumor.

Ficha técnica:
Título: O tumor

Autore: Ibrahim Al-Koni

Tradutor: Mamede Jarouche

ISBN: 978-65-86824-32-2

Edição: 2022, 1ª

Número de páginas: 192

Projeto Gráfico: Marcelo Pereira – Tecnopop

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on pinterest
Pinterest
Share on telegram
Telegram

Deixe um comentário

© Copyright, 2022 - Revista Piparote
Todos os direitos reservados.