Ilustração do cartunista Céllus


Eu estava conversando com a minha filha que dizia que tinha ganhado um cachorro e estava muito feliz porque havia muito tempo ela nos pedia um cachorro, a mim e ao pai, mas nós achávamos melhor ela ter um cachorro quando estivesse com mais idade e pudesse cuidar dele. Ela dizia que ia cuidar do seu cachorro, dar banho, ração, catar as pulgas, e levá-lo pra passear. Nunca mais ia ficar longe dele. Todas as suas amigas, suas primas, e até as professoras do colégio tinham cachorro, menos ela. Na mão dela havia uma espécie de coleira feita com um cinto; o cachorro amarrado ao cinto era o seu velho ursinho de pelúcia. Então ela me perguntou se eu tinha visto seu cachorro. Eu disse que sim. Qual é a cor dele? Amarelo, eu disse. Não, não é amarelo, ele é preto! E disse que eu não estava vendo direito o cachorro dela. Estou sim, eu disse. Aí ela me perguntou se ele era bonito. Claro que é! Uma beleza! Achei que ela ficaria feliz com a resposta. Não, não é, ele é feio, muito feio, mas eu gosto dele assim mesmo, respondeu. E repetiu que eu não estava vendo o cachorro e que ele estava ficando muito triste, e ela achava que ele ia começar a chorar. Estou, estou vendo sim, não se preocupe, eu disse. Então como ele é, grande ou pequeno? Ah, ele é grande. Não é, ele é muito pequeninho, não sabe andar, acho que vou ter que levá-lo no colo. Mais uma pergunta, mamãe, disse ela: ele tem rabo ou cortaram o rabo dele? Espera, deixa eu olhar direitinho. Acho que cortaram o rabo dele. Nada disso! Ele tem rabo, olha. Está bem, filha, acho que você tem razão, a mamãe está precisando de óculos. Então ela falou: vamos, Bobo, vamos passear, e pegou o cachorro do chão abraçando-o no colo. Ela não é mais sua avó, disse no ouvido dele. Referia-se a mim. Nesse momento, o pai chegou. Disse para ele que tínhamos novidade. Então contei que nossa filha tinha ganhado um cachorro de presente e estava muito feliz. Antes que ela fizesse todas as perguntas e ele errasse as respostas, perguntei se ele estava vendo o cachorro. Que cachorro? Disse ele. O cachorro que está no colo de nossa filha, meu bem. Que filha? Disse me olhando fixo.

Livia Garcia-Roza

Livia Garcia-Roza

é carioca e estreou em literatura em 1995 com o romance “Quarto de menina", Editora Relume-Dumará/editora Record; em seguida vieram os romances “Meus queridos estranhos”, editora Record/editora Companhia das Letras; “Cartão Postal”, editora Record e outros romances. É autora ainda de livros de contos e de livros infantis.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on pinterest
Pinterest
Share on telegram
Telegram

Este post tem um comentário

Deixe um comentário

© Copyright, 2022 - Revista Piparote
Todos os direitos reservados.