E tu serás um ermo novamente

O, thou wilt be a wilderness again
Henry IV

I.

E tu serás um ermo novamente.
E os lobos correrão por tuas ruas
Purificadas de sentido e gente.

E o orvalho gelará as pedras nuas
De tuas portentosas catedrais.
E a palidez de sucessivas luas

Borrará o perfil dos ancestrais
Na fachada dos templos desgastados
Pelo vítreo clarão dos temporais.

E nos velhos caminhos congelados
Irá o derradeiro viajante
Com grandes olhos baços e parados

Como um deus desnorteado e cambaleante,
Insensível ao frio, ao medo, à fome.
E se erguerá, funesta e fulgurante,

A última manhã do último homem.
E tu, tu arderás no vento norte,
E mais ninguém recordará teu nome

E ninguém temerá o azar e a sorte.
E o falcão solitário nas alturas
Equânime olhará a vida e a morte

Irmanadas enfim sobre as planuras
Onde outrora te ergueste, altiva e insciente.
E nas noites brilhantemente escuras

Vagará um fogo frio e evanescente:
E tu serás um ermo novamente.


Quando eu morrer ¹

Os deuses dão a sombra e a luz. A sombra brilha,
E o coração da luz esconde um claro-escuro.
O mal vive no bem. Não há remédio, filha:
Tu chorarás por mim nas noites do futuro.

O que nos cabe aqui é a triste maravilha.
Nada é somente suave, ou acre, ou doce, ou bruto.
Tudo fere, e eu também vou te ferir. Oh, filha,
Tu chorarás por mim nas noites do futuro.

Mas é nossa missão cair nessa armadilha,
E o que passou persiste em seu estado puro.
Não vou morrer quando eu morrer. Pois, minha filha,
Tu chorarás por mim nas noites do futuro.



Tento saber quem sou, e a noite é vasta ²

Tento saber quem sou, e a noite é vasta
Ante os meus olhos foscos e salgados:
A sombra sabe aonde eu vou, e basta.

A memória é neblina que se afasta
Enquanto, nos umbrais sombrios, alçado,
Tento saber quem sou, e a noite é vasta.

Mas pulsa algo distante, que me arrasta,
E, nesse antigo dédalo espelhado,
A sombra sabe aonde eu vou, e basta.

O tempo é tempestade que desbasta
A flor do espaço, e sob o céu rajado
Tento saber quem sou, e a noite é vasta.

Aquilo que te impele te devasta,
E, enquanto arde o futuro no passado,
A sombra sabe aonde eu vou, e basta.

Há no Mundo uma Porta, estranha e gasta,
Porém eterna. Eu passo. E do outro lado?
Tento saber quem sou e a noite é vasta:
A sombra sabe aonde eu vou. E basta.


[1] Poema publicado no livro “E tu serás um ermo novamente” (Patuá, 2021).

[2] Poema inédito.

José Francisco Botelho

José Francisco Botelho

nasceu em Bagé, em 1980. É jornalista, escritor, tradutor, crítico de literatura e cinema, havendo colaborado com diversos veículos de circulação nacional.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on pinterest
Pinterest
Share on telegram
Telegram

Deixe um comentário

© Copyright, 2022 - Revista Piparote
Todos os direitos reservados.