Desde que Proust morreu, em 1922, ele não tem cessado de “nascer” e (no bom sentido) nos assombrar. O reconhecimento de que desfrutou em seus últimos anos de vida, graças sobretudo ao Prêmio Goncourt de 1919, cresceu exponencialmente, ganhou o mundo, transformou-se em glória. Suas digitais estão na literatura moderna, diluídas em vasto número de epígonos e admiradores. Tudo isso é sabido, mas Proust parece nos dizer com inesgotável energia: “Avancem mais!”, irredutível a fórmulas e categorias, pois, como escreveu Roger Shattuck em seu “As ideias de Proust”, “Nenhuma teoria ou abordagem única tornará Proust fácil e rapidamente acessível a todas as mentes inquisidoras. A própria resistência de sua obra à simplificação e à análise constitui sua característica geral mais evidente”. Então, avancemos.

Italo Calvino terá sido um dos primeiros a ver uma outra característica proustiana que praticamente complementa a observação de Shattuck. Em “Seis propostas para o próximo milênio”, ao abordar a Multiplicidade em literatura, Calvino vai ao ponto ao chamar “Em busca do tempo perdido” de um “romance-enciclopédia”. Vale a pena citarmos o fragmento completo, já que o autor o entronca a um outro tema que é igualmente importante para compreendermos Proust:

Nem mesmo Proust consegue ver o fim de seu romance-enciclopédia, mas não decerto por falta de planejamento, dado que o projeto da “Recherche” nasce como um todo, princípio, fim e linhas gerais, mas porque a obra vai se adensando e se dilatando em seu interior por força de seu próprio sistema vital. A rede que concatena todas as coisas é também o tema de Proust […]

Eis por que Proust nos assombra: seu enciclopedismo e sua estrutura em rede, de par com sua reflexão analítica, poética e psico-analítica [sic], formam um monumento literário único, singular e inexcedível. Ele é desses autores que nos obrigam a uma convivência prolongada, vale dizer: a releituras. Ou seja, não basta ler os sete alentados volumes da “Recherche” (o mais longo romance já escrito), há que se considerar também uma certa intimidade com a obra para que, então, em todo o seu esplendor, ela nos ofereça as maravilhas que nem sempre aparecem numa única leitura. Não por acaso, muitos leitores, ao terminarem a “Recherche”, logo se sentem motivados a voltar ao começo, a reler o livro. Proust, costumo dizer, é autor ciumento e nos quer só para ele…

A complexidade e o enciclopedismo proustianos terminam por fazer com que cada um de nós encontre, como leitores, seu próprio Proust. Daí um de seus maiores especialistas, Jean-Yves Tadié, em “A catedral do tempo”, ter dito que é uma “obra que tem resposta para tudo”. Observação que soa um tanto exagerada. O certo é que, além de respostas, ela nos oferece grandes perguntas e verdadeiros desafios. Como quer que seja, pode-se sumariamente dizer que a “Recherche” é um misto de monólogo, conversa e confissão, capaz de nos fazer atravessar por vários gêneros textuais e por esferas de conhecimento e de vida tão diversas como a história social, a sexualidade, a psicologia e as artes, não descuidando de uma psicanálise “avant la lettre”, assim como da moral e da estética. Também por isso Proust nos assombra.

A escritora britânica Pamela Hansford Johnson, proustiana assumida, chegou à conclusão de que “Não há romance no mundo que transforme mais profundamente seus leitores do que a ‘Recherche’”. Tem razão. Proust, com sua sombra serena e ampla, sem embargo de suas ambivalências e perplexidades, proporciona-nos uma relação plástica com seu livro e com o mundo, como se nos ensinasse uma modelagem existencial sob o prisma heraclitiano de que tudo se move continuamente. Se não “responde a tudo”, como escreveu o Professor Tadié, ele, no mínimo, nos remodela, tocando em nossas profundezas. Esse sentido de profundidade psicológica foi bem entrevisto por Gilberto Freyre em seu livro autobiográfico “Tempo morto e outros tempos”: “Proust […] desce a criptas a que ninguém antes dele desceu. É no que se especializa: em ver o que se passa nessas sombras de intimidade humana […]”.

Vivo fosse, o escritor talvez ainda estivesse escrevendo e reescrevendo seu imenso livro. Vivo fosse, em 10 de julho próximo passado, Marcel Proust (1871–1922) teria completado 150 anos, o que faz deste ano, ainda pandêmico, um ano especial para seus estudiosos e leitores e, sobretudo, para seus devotos, pois também se diz que ele não tem apenas leitores, mas devotos! Fidelíssimos devotos, que o leem como se lessem uma bíblia pagã. Por sua vez, 2022 será igualmente um “prousti-ano”, uma vez que em 18 de novembro será celebrado o centenário de seu falecimento. Enfim, como já vêm ocorrendo, exposições, lançamentos editoriais, palestras, encenações e toda sorte de homenagens lhe serão prestadas ao redor do mundo. Assim, o próprio Tempo, que foi o seu mais visível tema e personagem, parece ressuscitá-lo em todos nós, leitores e pósteros, ainda assombrados com sua sensibilidade gigantesca e com o oceano de tantos mares que nos legou.

Paulo Gustavo

Paulo Gustavo

poeta e ensaísta pernambucano, autor de “A tartaruga e a borboleta: um caminho para Proust” e de “Acordar para Proust: uma breve iniciação a ‘Em busca do tempo perdido’”.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on pinterest
Pinterest
Share on telegram
Telegram

Deixe um comentário

© Copyright, 2022 - Revista Piparote
Todos os direitos reservados.