Alma

Condenam-me ao silêncio mais cruel:
o silêncio da alma
enquanto a pegada do corpo
fica impressa no chão.
Não falar é a pior tortura.

Falo dessa fala
própria da alma
que os deuses temem
pois jamais se cala
e continua
queimando o corpo
lentamente com sua chama.

A toda palavra que sai de minha boca
longe longe
responde o vento
com a mesma fria palavra
que me devolve
a sombra apenas
do que penso.

A alma é tão-somente um fogo
vívido e chamejante
crestando a pele do corpo
– veste
de que ela própria se reveste.

Mas esse fogo é tudo
pois sem ele
o corpo se estiola:
folha vermelha que torna
inevitável o outono.


Impossível ousadia

Ninguém ousa, quem ousaria?
Aquele que ousar esquivar-se à Morte
nela tropeça dois degraus após
enquanto a lua no alto escala as escarpas do céu
e os animais se recolhem à toca.

É noite é sempre noite
quando ela torna
em seus passos
-leve como nada –
alguém em mira.

Quem nesse mundo ousaria?
Suave o seu hálito
macio o seu toque
evite-se o passo esquerdo
a palavra fácil:
aos ouvidos da Morte
tudo ressoa inútil
se em vão se chora, em vão se foge ao tropeço.


Círculo vicioso

a cada volta da tarde
um pássaro se debate
marcando as asas em mim
o seu suplício ou saudade
de tudo o que ele não sabe
pois nunca fugiu daqui
tem força de uma revolta
e estremece a toda volta

que cada tarde descreve
digo-lhe como consolo
que dele não fugiria
dentro dele enfeitiçada
num círculo que se vicia
estou presa acorrentada
pra todo o sempre amarrada
por mais que amanheça o dia


Fragilidade

É de vidro a fibra
a lã
tecendo a clara
manhã.

É de vidro a pedra
-palavra –
riscando o vidro
da casa.

É de vidro o sonho
mais alto
tomando a casa
de assalto.

É de vidro o mar
amargo
cortando o corpo
nau frágil.


De perto

Posso fazer-me tão velha como o mundo
musgo que se abandona às reentrâncias das pedras
e, impregnada de séculos,
passear os meus sonhos
como se fossem palpáveis.

Posso fazer-me tão leve como nuvens
sonho que se abrevia na periferia da noite
e, cheia de subterfúgios,
diluir-me na vida
e esconder-me no tempo.

Posso fazer-me tão pura como nada
poema que se insinua inacessível e belo
e, sem um outro refúgio
que não o medo de tudo sentir a vida de perto.


Cantiga

PEGA O VERSO E SOLTA A RIMA
PEGA A RIMA E SOLTA O VERSO
DENTRO DA RIMA A MENINA
DENTRO DO VERSO O UNIVERSO

de palavras faço um jogo
que se vira na canção
palavras em minha mão
troco tudo o tempo todo
o universo é muito pouco
cabe todo em minha língua
muito viva essa menina
quando canta se atravessa
troca tudo pois tem pressa
PEGA O VERSO E SOLTA A RIMA.

Bem depressa o jogo inverto
gira  todo o pensamento
muda o jogo num momento
volta tudo pro começo
viro o canto pelo avesso
torno tudo tão diverso
digo um verso e seu reverso
mas a voz não desafina
muito louca essa menina
PEGA A RIMA E SOLTA O VERSO.

Como se faz a canção?
nunca os tenho ao mesmo tempo
pois o verso se sustento
a rima foge da mão.
Não se resolve a questão
o jogo assim não termina
não sei se verso ou se rima
sei que se dentro do verso
cabe todo esse universo
DENTRO DA RIMA A MENINA.

Entre o universo e a menina
a canção  já nasce pronta
a menina faz de conta
que esqueceu como termina
só para inventar a rima
ou desinventar o verso.
Desinvento e não converso.
Mas é só de brincadeira
se na rima estou inteira
DENTRO DO VERSO O UNIVERSO.

Elizabeth Hazin

Elizabeth Hazin

Nasceu no Recife, em 1951. Tem poemas publicados em diversas antologias e revistas nacionais e estrangeiras.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on pinterest
Pinterest
Share on telegram
Telegram

Este post tem um comentário

  1. Lucie

    Que genial, Elizabeth! Uma felicidade ler, tão você e esse final, tão redondo onde cabem a menina, o universo, o verso, a tradução, a canção, o lúdico, a leveza…..!!!! Uau! Pura beleza! Gracias

Deixe um comentário

© Copyright, 2022 - Revista Piparote
Todos os direitos reservados.