Memórias da Caop

E distante da Caop, vou tentando reviver
As memórias da Capela, lá em São Miguel
Presente nas lembranças, tudo falta, menos querer
Respirar seu ar quente, solo e alma sentir
A comunidade de tantos caracteres e inúmera gente
Atenta ao seu redor, também conhece o amor
Memórias do nada fazer, porém me fartei de longe estar
Nostalgia dos amigos e inimigos da dignidade, pois, carentes
De oportunidades
Do candengue do beco, que não conhece outra realidade
Senão a estabelecida pela herança do destino
E do rosto invisível da felicidade imaginada
Que não admite a tal liberdade sugeridas por Sen
Pelo que nada mais espera, senão um novo amanhecer

Saudades… das ruas sem graça escondendo poesia
Do cenário que tudo cria, e das malabarices que lá se via
De entre sonhos e ilusões, incertezas e emoções
Regras gerais de um mundo normal também com paixões
Da camadeira que teme a chuva, pois esta mata suas beiras
Da boa fé que alimenta os vizinhos do Jakinito
Nos kizango com o Pepé
Que entre passos, dicas e prosas,
argumenta que a família do Sousa tem de o pagar

Memórias da brasileira, que do samba só lembra a favela
Que de uma ponte necessita para fazer passar
os espíritos atormentados pelo caldo lamacento
abençoado pela chuva
Que alivia a fome mas não o stress da gente,
que pretende somente chegar ao dito asfalto,
onde de facto, dá para exbir o fato

Sem me esquecer do Mandimbra das noites quentes,
luz e bastante ambiente, um mundo à parte,
Do universo Caop, de vários contrastes e realidades,
da Elisabeth, amiga da Ana Marineth
São memórias memoráveis do mundo ao qual pertenço, não o relego
Da ditatura musical do militar, que entre quetas,
ruído e dor de dente, toca aquela cassete
A Caop quero reencontrar, ainda bem que por lá, havemos de voltar…

Lisboa – 201

Adálio Pereira Francisco

Adálio Pereira Francisco

Natural do Huambo, Angola.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on pinterest
Pinterest
Share on telegram
Telegram

Deixe um comentário

© Copyright, 2022 - Revista Piparote
Todos os direitos reservados.