Pesquisar
Close this search box.

Aftersun: uma viagem em busca de respostas – Por Yolanda Rodríguez

A história de Aftersun (2022, Charlotte Wells) começa com as férias de um pai e uma filha a caminho de um arquétipo de vila turística na Turquia, um destino de férias barato para turistas predominantemente britânicos.

Fazemos uma viagem de volta no tempo até a infância da protagonista, Sophie, por meio de vídeos caseiros gravados durante as férias de verão que ela passou com o pai, sendo esta a linha do tempo principal do filme.

A abordagem geral do filme faz com que o espectador realize essa viagem de volta à infância com a protagonista para mergulhar em descobrimentos de suas lembranças e ver indicadores, gestos ou qualquer detalhe que a ajude a encontrar as respostas de que tanto precisa: o que era real e o que era fruto de sua imaginação, de seus sentimentos e de sua melancolia?

À primeira vista, as sequências minimalistas e hipercostumbristas do filme não parecem revelar nada muito esclarecedor, mas, à medida que o filme avança, encontramos e reunimos detalhes sutis que, por si próprios, não significam nada, porém cobram sentido no conjunto e no desenrolar dos conflitos. Ao utilizar as memórias e os vídeos da protagonista, não nos deparamos com um formato linear típico de eventos, mas somos subjugados à subjetividade de sua história pessoal.

O longa-metragem de estreia de Charlotte Wells está repleto de verdade; apesar de ter declarado que se trata de ficção, Wells confirmou que partes do processo de escrita tinham pequenos tons autobiográficos, embora ela tenha reiterado que seu próprio relacionamento com o pai não foi capturado, não obstante ela tenha se baseado sutilmente em detalhes.

Aftersun é uma obra que gira essencialmente em torno de seus dois personagens principais e pode não agradar a todos; é de combustão lenta, lembrando filmes como La Vie d’Adèle, de Abdellatif Kechiche, com closes que se estendem em sequências altamente costumbristas e naturalistas.

Há uma clara sensação de que o tempo está parado durante todo o filme, e isso dinamiza a jornada dos personagens à medida que desvendamos o relacionamento entre pai e filho pouco a pouco. O filme, assim como a vida, tem seu ritmo particular e, se quisermos entrar nessa história melancólica, devemos aceitar suas regras.

Aftersun está para Paul Mescal e Francesca Corio como Paul Mescal e Francesca Corio estão para Aftersun. Os personagens são muito bem interpretados e construídos. De um lado, temos Paul Mescal (que alcançou o reconhecimento do mainstream após sua atuação na série Normal People, adaptada do romance de Sally Rooney), que defende seu personagem com todas as particularidades que o cercam com tanto sucesso que foi indicado ao Oscar de melhor ator. Por outro lado, temos a jovem Francesca Corio, que estreia como atriz nesse filme, embora isso não seja um impedimento para alcançar a qualidade interpretativa de seu parceiro Mescal, destacando a quantidade de recursos dramáticos que possui, apesar de sua pouca idade.

A conexão e a sinergia entre os dois atores são impressionantes na tela. O diálogo, os olhares, a maneira como interagem são fundamentais, além da direção de Wells, para o sucesso da conexão com o espectador.

Esse é um filme íntimo, lento, reflexivo e retrospectivo que tem sido uma das grandes surpresas do ano passado. Certamente ficaremos de olho nos futuros projetos de Wells.

AFTERSUN

TRAILER

Dirigido por Charlotte Wells
Reino Unido, Estados Unidos, 2022
Drama
Inglês
Português & mais 5
Yolanda Rodríguez

Yolanda Rodríguez

Nascida na Espanha, Yolanda Rodríguez é tradutora e intérprete, licenciada pela Universidad Autónoma de Madrid, especialista em tradução audiovisual. Atualmente é coordenadora de edição e de operações de conteúdo na Paramount Espanha.

Facebook
Twitter
LinkedIn
WhatsApp
Pinterest
Telegram

NEWSLETTER: RECEBA NOVIDADES

© Copyright, 2023 - Revista Piparote
Todos os direitos reservados.
Piparote - marca registrada no INPI