Poemas do escritor José Francisco Botelho

Luz atrás da Chuva (1911), Egon Schiele


E tu serás um ermo novamente

O, thou wilt be a wilderness again
Henry IV


I.

E tu serás um ermo novamente.
E os lobos correrão por tuas ruas
Purificadas de sentido e gente.

E o orvalho gelará as pedras nuas
De tuas portentosas catedrais.
E a palidez de sucessivas luas

Borrará o perfil dos ancestrais
Na fachada dos templos desgastados
Pelo vítreo clarão dos temporais.

E nos velhos caminhos congelados
Irá o derradeiro viajante
Com grandes olhos baços e parados

Como um deus desnorteado e cambaleante,
Insensível ao frio, ao medo, à fome.
E se erguerá, funesta e fulgurante,

A última manhã do último homem.
E tu, tu arderás no vento norte,
E mais ninguém recordará teu nome

E ninguém temerá o azar e a sorte.
E o falcão solitário nas alturas
Equânime olhará a vida e a morte

Irmanadas enfim sobre as planuras
Onde outrora te ergueste, altiva e insciente.
E nas noites brilhantemente escuras

Vagará um fogo frio e evanescente:
E tu serás um ermo novamente.


Quando eu morrer ¹

Os deuses dão a sombra e a luz. A sombra brilha,
E o coração da luz esconde um claro-escuro.
O mal vive no bem. Não há remédio, filha:
Tu chorarás por mim nas noites do futuro.

O que nos cabe aqui é a triste maravilha.
Nada é somente suave, ou acre, ou doce, ou bruto.
Tudo fere, e eu também vou te ferir. Oh, filha,
Tu chorarás por mim nas noites do futuro.

Mas é nossa missão cair nessa armadilha,
E o que passou persiste em seu estado puro.
Não vou morrer quando eu morrer. Pois, minha filha,
Tu chorarás por mim nas noites do futuro.


Tento saber quem sou, e a noite é vasta ²

Tento saber quem sou, e a noite é vasta
Ante os meus olhos foscos e salgados:
A sombra sabe aonde eu vou, e basta.

A memória é neblina que se afasta
Enquanto, nos umbrais sombrios, alçado,
Tento saber quem sou, e a noite é vasta.

Mas pulsa algo distante, que me arrasta,
E, nesse antigo dédalo espelhado,
A sombra sabe aonde eu vou, e basta.

O tempo é tempestade que desbasta
A flor do espaço, e sob o céu rajado
Tento saber quem sou, e a noite é vasta.

Aquilo que te impele te devasta,
E, enquanto arde o futuro no passado,
A sombra sabe aonde eu vou, e basta.

Há no Mundo uma Porta, estranha e gasta,
Porém eterna. Eu passo. E do outro lado?
Tento saber quem sou e a noite é vasta:
A sombra sabe aonde eu vou. E basta.


[1] Poema publicado no livro “E tu serás um ermo novamente” (Patuá, 2021).

[2] Poema inédito.


José Francisco Botelho nasceu em Bagé, em 1980. É jornalista, escritor, tradutor, crítico de literatura e cinema, havendo colaborado com diversos veículos de circulação nacional.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Crie um site ou blog no WordPress.com

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: